quarta-feira, 7 de maio de 2014

Ele quis um espaço.
O homem sente a necessidade de um espaço.
Sempre perambulando.
Só assim pra aplacar a dor,
gado pastando no peito.

Exigiu, então, bom culpado,
o cuidado o maltrato
pelo que deixou inflamado
com seu beijo, mucosa áspera,
cano de escape.

Me quis pedaço
nem largo nem fundo
"porque a medida do homem
não se mede em latifúndio"
- dizia;

Me quis pedaço
algo mais verdadeiro:
palpável e ordinário;
achado, acaso, alheio:

como a pilha velha achada,
sem idéia, na verdade, do que esta lhe valeria -
que sol portátil esta noite acenderia!

Ou então como uma concha marinha
pelo chão,ou ao fundo
de uma escrivaninha
que, ao ouvido, curioso se alinha:
onda por onda, em qual mar nos lançaria?

Um espaço assim, media.