sexta-feira, 13 de setembro de 2013

(sem título)

Man Ray
I

a solidão como périplo,
um dia - venturas, monturos, mitos, milhas -
termina?

II

minha alma é um mapa diáfano, vago, muito vago

se boa a sorte desse dia, se forte o vento ao leste da agonia,
se não falível a fé nessas carrancas -
ah! - se revele algo,

me resgate,

me salve

dos rochedos:
naquele se perdeu meu pai; naquele outro,  errou o meu capote,
o do meio, desviou o meu cargueiro,
entremeios, estreita, espreito : a corrente do Forte.

ao alto, um sol claro, lúcido e cínico sobre os navegantes: pois ilumina, testemunha e cala;
mudo diante do que vê, vê mas não enxergo. e na enseada, minhas fragatas paradas. e tendo ao pé:

o meu mapa diáfano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário